sexta-feira, 25 de abril de 2014

Sinto-me

Eu gosto de abrir a janela de manhã cedo, ver o sol brilhar, o quarto resplandecer, sinto-me mais viva.
Eu gosto de ver pessoas rindo sozinhas, sinto-me com mais motivos para rir.
Eu gosto de ver objetos quebrando-se, pois percebo que todos somos frágeis e quebráveis de alguma maneira, sinto-me revigorada.
Eu gosto de escrever, sinto-me tão convicta.
Eu gosto de passar a mão pelas flores/plantas, sinto-me tão natural.
Eu gosto de procurar formas nas nuvens, sinto-me uma criança.
Eu gosto olhar as estrelas, sinto-me parte de um mundo diferente.
Eu gosto de ler, sinto-me em um mundo diferente.
Eu gosto de abraçar, sinto-me segura.
Eu gosto de estalar os dedos, sinto-me mais disposta.
Eu gosto de rodopiar na cadeira de rodinhas, sinto-me mais alegre.
Eu gosto de fazer caretas no espelho, sinto-me como se eu fosse vários personagens diferentes.
Eu gosto de ouvir músicas nos fones, sinto-me fora desse mundo, em sintonia com a música.
Eu gosto de sentar debaixo de árvores, sinto-me confortável.
Eu gosto de procurar pedras, sinto-me satisfeita e objetiva.
Eu gosto de sentir o vento, sinto-me leve.
Eu gosto de andar de pés descalços, sinto-me livre.
Eu gosto de ficar debaixo d'água, sinto-me uma sereia.
Eu gosto de guardar plantas, sinto-me uma botânica.
Eu gosto de empilhar objetos até eles se desequilibrarem, prova que para ter equilíbrio é preciso ter um certo limite, sinto-me uma engenheira.
Eu gosto de pensar, sinto-me uma fílósofa, mas sinto-me confusa.
Eu gosto de gostar, sinto-me uma apreciadora das coisas simples.
Eu gosto de coisas simples, sinto-me mais... humana.

0 comentários:

Postar um comentário