quinta-feira, 1 de maio de 2014

L'importance de la Solitude

Título "A Importância da Solidão".

 Atrevo-me dizer, assim como Thoreau disse, que a melhor companhia que podemos ter é a solidão, ou a companhia de nós mesmos - a introspecção. A solidão não é sempre característica do depressivo, nem do antissocial e nem do introvertido, a solidão está associada à reflexão, ao autoconhecimento. Também digo isso porque não sou nada introvertida, ou depressiva ou antissocial, muito pelo contrário, adoro socializar, conversar, expor opiniões, rir com outras pessoas, estou rodeada de pessoas a maioria do tempo e realmente aprecio uma boa companhia... por isso também aprecio a solidão, ela é a companheira da nossa alma.
 Quando estou em companhia de várias pessoas, rindo, indo na "onda", despojadamente, pego-me afirmando coisas na qual eu negaria, pego-me aceitando opiniões que vão contra meus princípios e pego-me ocultando meus pensamentos, apenas afirmando e aceitando, eu odeio isso. Sou uma pessoa bem convicta de mim mesma, eu discuto quando preciso (grande parte do tempo pra ser mais precisa haha), exponho meus pensamentos e opiniões, não aceito injustiças, nego o que não me apetece, mas mesmo assim, às vezes pego-me sendo levada pelo senso comum, ou a onda de vozes de uma multidão que mal sabe para que lado está indo, que não tem conhecimento do caminho, mas como está todo mundo indo para este caminho, é mais fácil e "seguro" seguir tal multidão... Senso comum.
 Às vezes pego-me pensando também se todos sofrem disso, que muitas vezes sentem-se sufocados pelas próprias palavras, manipulados pelos cegos e alienados andando na mesma direção, angustiados. No meio de tantas vozes, tudo o que eu queria às vezes era um silêncio solitário para refletir e colocar meus pensamentos em ordem, rever meus conceitos abatidos pela ignorância. Os argumentos inválidos do senso comum, mesmo estúpidos, têm uma força imponente, é gritante, é tão impactante que certas vezes quase fui convertida por ele e obriguei-me a aceitar certas coisas. Não sei por quê eu faço isso - aceitar, talvez seja medo, se toda a hora eu expusesse minha opinião, tomariam-me como uma pessoa chata e de um senso crítico elevado, arrogante e prepotente... E então, às vezes devo engolir as palavras de uma vez antes de afogar-me, ou de ser apedrejada pela cega multidão, a multidão que se recusa a me ouvir.
 Ah, espera aí? Você está achando mesmo que eu sigo essa multidão? Não, nunca! E é isso que eu quero mostrar para as pessoas. Você não precisa deixar de conversar, conviver com as pessoas de opiniões divergentes, o que você precisa é de um tempo para si mesmo, quando sentir-se sufocado demais, pressionado pelas vozes do senso comum e quando negarem ou recusarem a te ouvir, retire-se, é o que eu sempre faço. Se toda as vezes que eu "peguei a senha para a fila" da multidão do senso comum eu não tivesse tirado um tempo para refletir depois, eu com certeza seria cegada também, eu seria mais uma na caverna de Platão, seguindo as sombras. A solidão ajuda você a lembrar de quem você é, o que você faz, por quê está aqui, quais são seus princípios, vontades, amores, a solidão é a chave da reflexão, da introspecção, é a chave para nós mesmos, para conhecermo-nos ou, como disse, reconhecermo-nos. 
 É complicado expor opiniões que vão contra uma grande multidão, poucos irão te ouvir, até porque, é mais fácil "discutir" com quem tem as mesmas opiniões que você, é mais confortável (esse é o pensamento da maioria das pessoas, o que é uma pena, por isso o senso comum é ainda algo tão... comum, e coisas que deveriam ser discutidas são deixadas de lado), mas se a SUA opinião é baseada nos teus princípios benignos e equânimes, seja inerente a ela, não importa se você for apedrejado, a sua opinião deve ser baseada nos teus pontos de vista, na tua experiência própria e especulações (especulações podem envolver outras pessoas também, mas nem todas as pessoas são adequadas para formar opiniões, ou seja, aquelas que seguem o senso comum), não siga aqueles que tanto que falam mal conseguem ouvir a própria voz, que são cegos demais para especular e acomodados o suficiente para aceitar.
 É claro, opiniões para certos casos são relativas, a justiça pode ser relativa, mas essa relatividade é você quem decide, e mesmo certas questões sendo relativas, temos um bom senso "universal", por isso é necessário a introspecção, a reflexão, para mergulhar dentro de si mesmo e entender alguns fatos, especular. 
 Eu ando pela natureza para refletir, em uma agradável solidão, revendo meus conceitos, pensando na vida, nas pessoas, faço isso frequentemente, assim como converso com outras pessoas e tento compreender o mundo como ele é, pois socializar também é conhecimento, especulação, visão de mundo. Sempre digo, não devemos ser extremistas ou tomar um lado antes de especular o outro, devemos entender os dois lados, ter uma visão abrangente dos fatos verídicos, para assim, formarmos uma opinião e tomarmos uma posição. Algo muito bom para refletir também é a escrita, como estou fazendo neste exato momento... Escrevi este texto para nunca esquecer-me de pensar desta forma, é uma reflexão, estou me autoconhecendo, escrever é um ótimo exercício que está ligado à solidão, a solidão da reflexão, você está lendo a minha solidão, e espero profundamente que seja capaz de ler a sua.

0 comentários:

Postar um comentário