quinta-feira, 22 de outubro de 2015

A Desumanização do Corpo da Mulher em Busca da Perfeição


 Quando nascemos intactos ou sem deficiências físicas e mentais, dizem que nascemos "perfeitas". Podemos levar uma vida normal e saudável, nascemos sortudas e privilegiadas. Porém, ao longo do tempo, esse conceito de perfeição vai mudando em nossas vidas, os termos vão alterando e a imposição dessa nova perfeição começa a nos afetar.
 A sociedade começa a "desumanizar" o nosso corpo humano, sim, a perfeição inalcançável de um corpo isento de estrias, celulites, manchas, pelos e gordurinhas, coisas que são naturais do corpo da mulher.
 Eu tenho estrias, eu tenho celulites, eu tenho tudo isso, até porque eu tenho genes humanos, consequentemente eu possuo um corpo humano e uma pele humana, e eu também tenho fome (quem não né? Existe batata frita!). O que eu não tenho é dinheiro para gastar em diversos tipos de tratamentos caros e intensivos como as modelos e atrizes que vivem para isso têm, elas se submetem a uma vida dedicada a dietas, quando não rigorosas, acompanhadas de profissionais pagos, também, dedicam seu tempo e seu dinheiro à sua imagem, pois seus trabalhos exigem isso, ou seja, elas são muito mais propensas a estarem nesse padrão, e nós as invejamos por isso e nos odiamos por não estarmos nele.
 Desde quando ter um corpo humano virou anormal ou motivo de vergonha? Esses "defeitos", como são erroneamente chamados, são completamente naturais e comuns entre as mulheres. Sei que 99% das mulheres que lerem esse texto concordarão comigo, sabemos que nós e nossas amigas possuem essas "imperfeições" e que elas também têm vergonha disso, o que é extremamente desnecessário e que afeta muito a nossa autoestima.
 O dinheiro é a maneira mais eficaz de ter acesso ao padrões estéticos, um exemplo: as blogueiras e seus cabelos perfeitos, sempre bem cuidados, seus corpos tonificados e suas cinturas finas. Grande parte dessas blogueiras possuem uma boa renda familiar e dinheiro para se manterem no padrão, não as julgo pelo seu modo de vida nem as condeno, mas a maioria das usuárias de seus instagrans e redes sociais são meninas que as admiram apenas pelas suas roupas, pelos seus cabelos e seus corpos, meninas muitas vezes de classe média, adolescentes, de uma realidade oposta.
 A autoestima é essencial para uma boa confiança e relação com o próprio ser, mas viver dela é superficial. Essas modelos ou blogueiras muitas vezes vivem de sua vaidade, vivem para aperfeiçoar sua imagem, e em conta disso acabam ganhando muitas admiradoras, nós, garotas comuns e estudantes, acabamos nos influenciando por esse meio de alimentar a nossa autoestima, a admiração alheia. E para essa admiração ser obtida, é necessário se encaixar nos padrões exigidos, o que muitas vezes é impossível.
  Existem inúmeras maneiras de aumentar sua autoestima, e a que mais me acalenta é me identificar com grandes mulheres da história ou com personagens marcantes de livros. Sua autoestima não tem só a ver com seu corpo, assim como a sua beleza. O que faz você achar isso é a sociedade, a mídia e as constantes transmissões de imagens de mulheres padronizadas em revistas, redes sociais ou na televisão.
 Também, essa perfeição muitas vezes é uma ilusão. Edições de photoshop em capas de revistas, cirurgias plásticas e outros métodos "não naturais" para alcançar a perfeição que estão longe do nosso alcance, e que muitas vezes, não sabemos que esses métodos foram utilizados, nos ludibriando e fazendo com que detestemos mais ainda nossos corpos humanos. Um exemplo laudável: Kyllie Jenner. Esses dias vi no tumblr uma postagem com uma foto da Kyllie Jenner e a legenda escrita por uma menina: "Se eu não nascer assim na próxima vida eu prefiro nem nascer."................................ Parou!! Tanta coisa boa a ser aproveitada e admirada nessa vida e a possibilidade de viver é negada por um simples motivo: a beleza padronizada.
 Eu acabei indo mais atrás dessa Kyllie Jenner, nunca assisti o seriado das "Kardashians" ou nada, mas vi que quando mais nova ela também não passava de uma garota comum, com um rosto naturalmente bonito e um corpo normal, agora... Digamos, ela entrou nesse padrão da perfeição. Lábios carnudos (resultantes de plásticas), olhos marcantes (pode-se perceber no instagram que ela diariamente usa cílios postiços), um corpo maravilhosamente perfeito! Mais uma vida que se dedica constantemente a sua aparência e passa a se tornar exemplo para as adolescentes que não têm as mesmas condições de obter uma vida de vaidades. O que eu considero superficial.
 Não sou contra plásticas, se isso pode aumentar sua autoestima de certa forma, faça! Eu sou contra o que faz com que nós queremos alterar nossas feições e nosso corpo cirurgicamente: a mídia. O nariz perfeito, os lábios perfeitos, tudo o que há de perfeição... A mídia primeiramente faz com que nos sintamos mal com nossa aparência e depois tira proveito disso, e nós constantemente vamos atrás de maneiras de mudar nossa fisionomia caindo nas armadilhas midiáticas e estéticas. Você não gostava do seu nariz, exemplo, acabou fazendo uma plástica, ótimo, ficou lindo, sua autoestima aumentou e você se sente mais confiante... Mas, você vai começar a perceber que o seu nariz ainda não te enquadrou no padrão, você vai buscar por mais alterações, você nunca estará satisfeita, pois esse padrão muitas vezes é inalcançável. Um ciclo vicioso por busca de uma beleza imposta que massacra a nossa autoestima e nunca nos deixa satisfeitas, muito pior quando vivemos por essa busca, esquecendo das coisas pelas quais realmente vale a pena viver.
 Gostaria muito que as novas gerações pudessem se libertar disso, porque admito que até eu tenho tendências ao padrão e minha autoestima é afetada com ele... É difícil sair intacta dessa sociedade que dita incessantemente no seu ouvido como você deve ser para ser bonita, se encaixar no padrão e ser aceita na sociedade... Mas moças, tentem, tentem! Precisamos nos libertar disso, há anos nosso valor é calculado pela nossa aparência, pelo nosso corpo, somos MUITO mais que isso, somos pensantes, somos escritoras, somos inovadoras, somos cientistas, somos líderes, somos revolucionárias. Ame seu corpo, se olhe no espelho e ame o que você é, se você fizer isso, acredite, você é muito mais digna de admiração do que qualquer beleza padronizada, porque essa atitude é muito mais rara e elogiável que qualquer imposição.

0 comentários:

Postar um comentário