segunda-feira, 7 de março de 2016

A Mulher na Ciência

 

Por que tão poucas mulheres em um cenário tão visionário e lógico? Provaria a ausência do papel feminino na ciência a superioridade dos homens no aspecto raciocínio lógico? NÃO, a resposta para essa disparidade é: Oportunidade e estimulo. Desde a antiguidade mulheres sempre se inclinaram à ciência, podemos dizer que é algo NATURAL do ser humano essa curiosidade pelo desconhecido e a propensão para suas respostas através da pesquisa e descobrimento (a ciência), desde Cleópatra, Hipátia e muitas outras mulheres da nossa história, contudo, a mulher nunca fora bem recebida em tal área, represada pelo seu gênero a mulher acabou se afastando da ciência, infelizmente isso acontece até hoje. Matemática era para homens, e as mulheres? Elas nem estudar não podiam, como poderiam ter acesso a tais informações para tornarem-se grandes nomes da ciência assim como muitos homens foram durante os últimos milênios? Apesar das dificuldades, muitas mulheres ainda quebraram tais barreras para se empoderarem na ciência, assim como Marie Curie, que teve que estudar em uma universidade clandestina para mulheres porque universidades naquela época "não era coisa de mulher", bom, hoje já sabemos sua história e sua grande contribuição. Não esqueceremos também das MUITAS mulheres que contribuíram para a ciência de alguma forma e seus nomes acabaram sendo esquecidos e apagados da história, ou nem ganharam reconhecimento. Hoje, é a mesma coisa, mesmo que indiretamente, claro, adquirimos muitos direitos, nós mulheres podemos frequentar a escola, uma universidade e podemos trabalhar em tais áreas, mas é inegável que o estimulo à ciência ainda é mais abundante na educação masculina e que homens ganham mais reconhecimento nesse tópico.

Um breve exemplo sobre estimulo: Nesses Natais vocês já devem ter observado nas lojas, eu acho prescindível separar alas de brinquedos femininos e masculinos, sendo que crianças têm a necessidade de explorar o mundo, elas não se importam com rótulos (até serem instruídos até eles), porém tais alas já as induzem indiretamente a um certo "destino". Os brinquedos das alas masculinas são variados, kit de engenheiro, de cientista, astronauta, piloto, atleta, arquiteto etc... Cores variadas e muuitos jogos que estimulam a lógica e a criatividade. Já as meninas? Bem, panelinhas, bonecas para cuidar, barbies para trocar de roupa, kit cabelo etc 

Vocês não fazem ideia de como tais brinquedos influenciam a vida e a forma em que a criança pode ver e interpretar o mundo. Temos que estimular a curiosidade das crianças, das nossas meninas principalmente, que preferem qualquer brinquedo que seja rosa porque dizem que rosa é cor de menina (elas não nascem achando isso), são muitas imposições desde seu nascimento, meninas com mentes brilhantes acabam sendo limitadas em um mundo de dona de casa, roupas, sapatos e crianças para cuidar. Não digo que as meninas não podem se importar com tais brinquedos, é claro que podem, assim como os meninos podem (e devem) explorar os brinquedos rotulados para meninas, o que eu quero dizer é que não devemos enquadrar nossas meninas apenas nesse "mundo cor-de-rosa".


E se mesmo com toda essa imposição e o impedimento, muitas mulheres ainda conseguem brilhar na ciência, isso só pode dizer uma coisa: Sim, as mulheres têm tanta capacidade quanto homens para raciocinar, criar e empenhar papéis nos quais a mulher foi impedida de atuar por muitos anos, por causa de seu sexo.
Rótulos, estigmas e imposições não definem a capacidade feminina, mas eles nos impedem de demonstrá-la.

Mães, pais, professoras(es), mediadores da educação infantil, inspirem a mente de suas crianças, inspirem a mente dela.

 Leitura recomendada: 
20 Mulheres que mudaram o mundo através da ciência (CLIQUE AQUI)
Relatos da dificuldade de ser uma mulher no campo da ciência (CLIQUE AQUI)

VÍDEO SOBRE O TEXTO

0 comentários:

Postar um comentário