sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Selvageria


Eu encontrei meu coração

Pelas florestas selvagens
Da sociedade, a salvação
Do homem, a evolução
De mim mesma, a libertação.

E no meio do silêncio das árvores
Sentia-me preenchida,
Enquanto na multidão
Um vazio me atormentava,
Mil vozes que não diziam nada.

Ouço o sussurrar das árvores,
A correnteza dos rios,
Dos pássaros os assovios,
E posso ouvir sua canção,
Murmurando com o sol
Um novo mundo
Uma nova vida.

Não se pode encontrar civilizações na mata
Mas se pode encontrar uma vida inteira,
Dentro de você.
Você se encontra,
Descobre que seu destino não precisa ser feito caminhos,
mas pode ser feito com suas próprias trilhas.

É um acalento saber que há um refúgio
No meio de um sistema no qual não me encaixo.

Oh, braços verdes que me aconchegam,
Levem-me deste mundo
Quero sentir tuas folhas em meus pés
E o orvalho da manhã, com a brisa matutina
Saber que, existe algum lugar em que homem jamais pisou
E sentir minha liberdade,
Sentir o que eu realmente sou.
Selvagem.

0 comentários:

Postar um comentário