quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Teu toque...


Toda vez em que eu sinto teu toque é como se eu estivesse tocando o céu.
Logo os arrepios tomam conta do meu corpo, enquanto você beija minhas costas suavemente...
Sinto tua barba passar pelo meu ombro, e teus lábios contíguos no meu pescoço, com beijos leves e molhados... E nessa conexão eu logo enterneço, minhas pernas ficam bambas e minha respiração ofegante...
Então eu apenas olho para ti, sem dizer uma única palavra, e você corresponde o meu olhar profundo, enquanto teus dedos deslizam suavemente sobre meus ombros descendo pelos meus braços.
Você mexe no meu cabelo e ficamos deitados, em silêncio.
É como se o tempo parasse, é o mais perto que eu já cheguei da eternidade... 
Teu toque, que me alicia, me envolve nos teus braços, puxa-me para teu peito, e então eu ouço teu coração bater... É a mais bela melodia que já ouvi... E quando eu te abraço com força, sinto a orquestra das tuas batidas acelerarem. E meu coração se compassa com o seu...
Eu apenas fecho meus olhos e sinto o infinito, em poucos segundos. Sentindo você, sentindo teu calor, tua respiração, teu toque, tua alma...
Então entrelaçamos nossas mãos, em silêncio, absortos na nossa sintonia, como se fôssemos apenas uma alma.
Das eternidades que já me apresentaram, quem me dera se elas fossem uma eternidade com você. 
Mas Keats já disse: "Antes fôssemos como as borboletas, para viver apenas três dias do verão. Três dias do verão com você eu poderia viver com mais deleite do que 50 anos sem você jamais poderiam conter."
Meu corpo, já eternamente marcado pelo teu toque, é cúmplice do meu amor pela tua existência.
O paraíso da tua pele é mais enigmático do que qualquer paraíso hierático. E quando sinto esse paraíso em mim, é como se eu fosse preenchida pela exuberância dos prazeres da vida. 
Quando sinto teu toque, é como se sempre estivesse tudo bem...
Pois eu sei que você está aqui, e é o que importa.


0 comentários:

Postar um comentário